Friday, April 25, 2008

Se me importo?

Se me importo?
Claro que me importo
Direi até
Que me revolto
Com a dor
com a mágoa
dos que pedem água
dos que têm fome
dos que ficam sem terra
por causa da guerra
dos encolhidos
dos envergonhados no estender
da mão...
talvez à procura de pão.
Importo-me com a pobreza
porque é uma tristeza;
importo-me com os dias
que se tornaram nocturnos...
sim, importo-me
com os taciturnos...
claro, que me importo
direi mesmo que me revolto.

Thursday, April 24, 2008

O teu pedido

Ensina-me a fazer poesia!
Diz lá como se faz...
Em que escola aprendeste
A escrever a fantasia?

Fácil ! Pegas na alma
E com toda a calma
Agarras no abecedário
desenhas no papel
A brisa do vento...
Escreves o sentimento
Com um lápis ou pincel
E com dois traços
Dás dois abraços
E dois beijos
Dizes os teus desejos
E verás como é fácil
Sentir a melodia
Na pauta de uma poesia.
Mas, se não tiveres a alma
Nada farás com as letras
Nem sequer sopa de letras
Nem algo de belo...
E se não for poesia
Aquilo feito no escrever
resta-te uma saída:
-volta a nascer...

Wednesday, February 27, 2008

De ombro caído

27 julho 2005

Há dias que nos trazem
falta de ânimo
ao sorriso jovial...
Metido na dúvida
onde encontro a força
energia para lutar?
Respiro fundo
inspiro profundo o ar poluído
relaxo de ombro caído...
Cogitando
vou respirando
procurando o ânimo
que combate o obstáculo
e retira o sorriso jovial.
Inspiro profundo
mais uma vez
relaxo de ombro caído
em busca do jovial
o sorriso...

O ar e o vento


Há mais olhar
no olhar de um poeta...
mais do que sentimento,
consegue ver o vento
apalpando o ar
e vê movimento
em coisas paradas
sente e se quiser
consegue agarrar
até mesmo conversar
com as nuvens distantes, dispersas ...
ouvindo sons das ramas
de árvores bailarinas
em calmo batimento,
o poeta, sente
faz conversa com a água do ribeiro
que se esvai sem destino
sem perceber o código
do mistério nuclear
encerrado na energia
estranha, inexplicável...