Thursday, May 12, 2005

A razão



Tu que me lês
julgas que quero fama?
Não! O que eu digo
É que quero muito
Sonhar na minha cama.
Verdade!
Tu que me lês
Nem sabes como sou
Não sabes o que dou
Sem olhar a recompensas...
E tu que me lês
À espera do fim
Deste poema
Não sabes sequer
Dizer qual foi, no principio,
A razão deste poema.