Saturday, November 5, 2011

O Espasmo

Atrás de um sarcasmo
Atrás de um sorriso
Talvez haja um espasmo
Talvez um aviso...
E se uma gargalhada
Sai de improviso
Talvez seja um aviso
de uma grande piada!
E se num riso
se vê alegria
Talvez escondida
esteja uma melancolia.
Essa face enrugada
Que larga um sorriso
Esconde os traços
de uma falsa alegria.
E agoras ris
depois choras
depois sorris
sem demoras...
Atrás de um sarcasmo
está sempre um espasmo!

Monday, April 25, 2011

virtual

eco estridente
grito lancinante das gentes
numa avenida da liberdade
soltado como um alívio
nos becos, nas ruas da cidade.
As grades de ferro forjado
mudaram esferovite...

depois... depois, vieram
os das vozes contidas
dos silêncios estratégicos
os tais que
não sonham os sonhos
os tais que
sempre enérgicos
fazem o mal...
os tais que
com disfarce liberal
esmagam o que foi,
na aparência, tão natural...
a Liberdade que foi
o grito mal contido
na avenida de nome igual
deu um gemido virtual...

Friday, June 18, 2010

No olhar


No olhar, a visão
traduzida pela teia
do que balanceia
num jogo de escondidas
feito no silêncio discreto
do olhar feito
tão perto e tão distante
dos que não sabem a distância
entre o olhar e o âmago.
No olhar
e no coração, se calhar
se calhar...

Monday, June 7, 2010

Dor na alma



Hoje dói-me a alma
parece que a calma
desapareceu...
acho que foi qualquer
coisa que me doeu
e não passou ainda.
E do que gosto na vida
é a luta por uma causa
que não seja perdida
já, antes de ser.
Faço uma pausa
busco no baú das forças
aquela fonte de energia
que àss vezes nos impele
e faz com que do desânimo
os nervos fiquem à flor da pele...
dói-me a alma e no fundo
quero e desejo a calma.
Há-de aparecer
.

Wednesday, September 2, 2009

Felicidade



Felicidade...
Ah,sim, sou feliz ( diz alguem )
Porque tenho...
Felicidade é o que se quer
Em qualquer idade
Felicidade
ou coisa
de vez em quando...
Momento dourado
Entre momentos
Tormentosos.
Essa palavra felicidade
De vez em quando
Feita de interregnos
apenas um intervalo...
Como um sol que aparece
Quando uma nuvem desvanece
Deixando-lhe raiar a luz.
Felicidade são os teus olhos
A tua meiguice ternurenta
Quando beijas humildemente
A palma da mão, cansada
De um dia de trabalho
E repousas as agruras.
Beijo-te os lábios e já nem notas
Sonolenta que estás, gasta da azáfama
E, de manhã... olho-te feliz
Quando esboças um sorriso calado
Transparecendo amor.

Friday, April 25, 2008

Se me importo?

Se me importo?
Claro que me importo
Direi até
Que me revolto
Com a dor
com a mágoa
dos que pedem água
dos que têm fome
dos que ficam sem terra
por causa da guerra
dos encolhidos
dos envergonhados no estender
da mão...
talvez à procura de pão.
Importo-me com a pobreza
porque é uma tristeza;
importo-me com os dias
que se tornaram nocturnos...
sim, importo-me
com os taciturnos...
claro, que me importo
direi mesmo que me revolto.

Thursday, April 24, 2008

O teu pedido

Ensina-me a fazer poesia!
Diz lá como se faz...
Em que escola aprendeste
A escrever a fantasia?

Fácil ! Pegas na alma
E com toda a calma
Agarras no abecedário
desenhas no papel
A brisa do vento...
Escreves o sentimento
Com um lápis ou pincel
E com dois traços
Dás dois abraços
E dois beijos
Dizes os teus desejos
E verás como é fácil
Sentir a melodia
Na pauta de uma poesia.
Mas, se não tiveres a alma
Nada farás com as letras
Nem sequer sopa de letras
Nem algo de belo...
E se não for poesia
Aquilo feito no escrever
resta-te uma saída:
-volta a nascer...